quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O trânsito jundiaiense de cada dia (2)

Na audiência pública de ontem, sobre o Orçamento de Jundiaí para 2011, perguntei e obtive algumas informações sobre o problemático trânsito de Jundiaí:

O SITU não diminui o tempo de deslocamentos das pessoas. O secretário Roberto Scaringella disse que uma das mais importantes melhorias do transporte coletivo foram os “expressinhos” que ligam um ponto a outro da cidade sem passar pelos terminais. Então, o que mais funciona não depende do SITU, que gastou R$ 70 milhões do dinheiro público para ser implantado? Parece mais dinheiro mal aplicado e pouca competência.

Já o “Jundiaí Shopping” iniciou suas obras na Av. 9 de Julho. Vai pagar R$ 5 milhões por rotatória bem em frente ao seu negócio. Quer dizer que o shopping paga uma rotatória para melhorar o acesso a si próprio. Isso é a contrapartida? Ninguém fez a pergunta: cabe um shopping no meio da cidade? E olhem o slogan que está no site do empreendimento: “Apresentamos o shopping com o padrão... no coração de Jundiaí”. Quando acabarem as obras da Av. 9 de Julho, ela já estará pequena. Mais R$ 35 milhões do nosso dinheiro gasto e com eficiência duvidosa. Nossa cidade é linda e vou lutar para que continue assim!

7 comentários:

  1. Mais um shopping deste porte, com novos negócios e opções de lazer é uma ótima pra cidade. Seus impactos, porém, precisam ser bem estudados e analisados. Depois não adianta botar a culpa no próprio jundiaiense, que "não para de comprar carro", segundo já ouvi.

    ResponderExcluir
  2. 1- O SITU é para as Empresas, não para o povo. è fato e não há interesse dessa administração em melhorar.
    2- As obras da 9 de julho, são realmente duvidosas. Não sabemos quem serão os beneficiados. Seria o povo?
    3- Novo Shopping. Todos os antigos Colaboradores da falida Vigorelli já receberam as indenizações?
    4- Caos no trânsito. Cadê o plano diretor?

    Espero que o Jundiaiense melhore nas próximas eleições.

    ResponderExcluir
  3. Paulo Eduardo Malerba19 de novembro de 2010 09:50

    Importante destacar esta falta de planejamento para os novos empreendimentos em Jundiaí. De forma demagógica o secretário de finanças afirma que o problema do trânsito é o excesso de carros, pois o governo federal está incentivando demais o crédito... Veja você que falta de responsabilidade!
    Parabéns pela iniciativa!
    Abs, Paulo Malerba

    ResponderExcluir
  4. Se a avenida 9 de julho não comporta um shopping , então nada dentro da cidade o comportará.

    Bom...é notável o pensamento provinciano desta cidade. Desde a administração da cidade há décadas até a oposição ideóloga e partidária.

    O SITU é uma piada. E não poderia ser diferente. Pode ser tucanos, beltranos, comunistas no poder que, se for este mesmo sistema de concessão, será uma piada.

    E não há coragem para se fazer o mínimo necessário para melhorar o fluxo de carros em lugares críticos como Ponte São João e Centro.

    O Shopping se chegar a ter algum malefício, certamente será um dos menores comparados aos que já existem na cidade.

    ResponderExcluir
  5. Olá Petrucchio, obrigado pela oportunidade do debate. A Av. 9 de Julho poderia corportar um shopping se tivesse todos os arredores também preparados para isso. Mas ainda assim, creio que há na cidade locais que podem ser mais bem preparados para isso. Agora convenhamos: a contrapartida ser uma rotatória que vai beneficiar o próprio shopping, é meia-boca!

    Não podemos perder oportunidades boas de desenvolvimento, como a vinda de um shopping, mas, daí a colocar ele "onde o terreno permite" é um conceito antigo de uso e ocupação do solo ainda vigente na prefeitura de nossa cidade, infelizmente. Se não tiver os devidos estudos de impacto de vizinhança, vamos piorar a nossa qualidade de vida, que ainda é boa. Abs

    ResponderExcluir
  6. Quem não gosta de um novo shopping na nossa cidade? Ocorre que a falta de planejamento aqui é gritante e os impactos desse novo empreendimento no nosso já caótico trânsito não foi levado em consideração assim como não o foi quando da aprovação, por parte do poder público, da construção de dois novos empreendimentos imobiliários, um deles gigante, na Ponte São João. Imaginem como ficará o trânsito naquela região quando esses imóveis estiverem todos habitados. Vila Arens é outro exemplo. Mexam-se autoridades, ainda dá tempo de fazer alguma coisa.

    ResponderExcluir
  7. Lei Complementar 415-04: Plano Diretor
    "Seção III
    Dos Instrumentos de Política Urbana
    Art. 14. Para ordenar o pleno desenvolvimento da função social da cidade e da propriedade urbana, e para realizar o planejamento, controle, gestão e promoção do desenvolvimento urbano, o município de Jundiaí adotará os seguintes instrumentos de
    política urbana:
    I - planejamento municipal, conforme previsto no art. 3º desta Lei Complementar;
    II - institutos tributários e financeiros:
    a) imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana – IPTU;
    b) contribuição de melhoria;
    c) incentivos e benefícios fiscais e financeiros;
    III - institutos jurídicos e políticos;
    a) desapropriação;
    b) tombamento de imóveis ou de mobiliário urbano;
    c) instituição de unidades de conservação;
    d) instituição de zonas especiais de interesse social;
    e) concessão de direito real de uso;
    f) concessão de uso especial para fins de moradia;
    g) parcelamento, edificação ou utilização compulsórios;
    h) direito de superfície;
    i) direito de preempção;
    j) outorga onerosa do direito de construir e de alteração de uso;
    l) transferência do direito de construir;
    m) operações urbanas consorciadas;
    n) regularização fundiária;
    o) assistência técnica e jurídica gratuita para comunidades e grupos sociais menos favorecidos.
    IV - estudo prévio de impacto de vizinhança (EIV)."

    A maioria desses instrumentos de política urbana ainda não foi regulamentada em leis específicas, sem as quais não podem se implementados, correndo o risco de virar letra-morta. O Plano Diretor vigente é de 2004; entra ano, sai ano e nada de de regulamentação.
    A quem interessa tamanha inércia?

    ResponderExcluir