domingo, 19 de março de 2017

0,25%: CPMF da Previdência, por que não?

Ao invés da desgastada Reforma da Previdência proposta pelo Presidente Temer (aliás, a quinta mexida em apenas 30 anos¹), por que não criar uma Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira – CPMF exclusiva para contribuir com Previdência Social? Por 10 anos? Uma cota de 0,25% seria suficiente para não sacrificar milhões de pessoas com a nova proposta de idade mínima e 49 anos de contribuição, um despropósito para a realidade brasileira. Neste período seria mantido a fórmula 85/95 em vigor para aposentadorias em geral e uma ampla revisão poderia ocorrer para ofertar uma proposta mais moderna e definitiva, e não punitiva sobre os mais pobres. 


A conta não fecha e o consenso também não. Hora porque é dito que as contribuições formais não são suficientes para manter uma população cada vez mais idosa e com a natalidade em queda. De outro lado, o Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS, também absorve as aposentadorias rurais, as assistenciais e se mantém na finalidade de reduzir a pobreza no país. Também atribui-se ao uso desmedido da Desvinculação de Receitas da União – DRU o aumento nesta discordância no fechamento das contas do sistema. As dúvidas e desconfianças, sobre políticos e instituições governamentais, não permitem um entendimento mais adequado e justo no momento.

Desta forma, fica aí minha proposta e contribuição para o debate.



¹ Emendas Constitucionais (E.C.) nºs 3/93, 20/98, 41/03, 47/05, 70/12 e 88/15.

sábado, 4 de março de 2017

Pão integral com copa lombo e parmesão

Compartilho minha receita própria de um pão especial, integral e fácil de fazer.

Na época da ditadura militar, quando algumas matérias para os jornais eram previamente censuradas, costumava-se publicar no lugar alguma receita culinária para mostrar que matéria original foi vetada. Não é o caso aqui, óbvio. Como é a primeira postagem de receita culinária no meu blog, lembrei dessa história dos anos de chumbo. Culinária também é uma de minhas paixões além de política, família e religião.

INGREDIENTES:

1 ½ xícara de chá de leite morno para frio
2 ovos
½ xícara de chá de óleo (de girassol ou milho)
2 tabletes de fermento biológico (ou tres colheres de sopa de fermento biológico seco)
2 colheres de sopa de açúcar (pode ser demerara ou mascavo peneirado)
1 colher de chá de sal (uma pitada)
100 gramas de copa lombo em fatias finas
100 gramas de queijo parmesão ralado médio (melhor se ralar na hora do preparo)
1 xícara (200 ml) de chá de farinha sem glútem (preparo a base de fécula de mandioca e farinha de arroz)
3 xícaras (200 ml) de chá de farinha de trigo integral

MODO DE PREPARO:

  • Bater no liquidificador o leite, o óleo, os ovos e o fermento (esfarelado, não tablete inteiro), colocar o açúcar e o sal.
  • Misturar os dois tipos de farinha numa tigela até ficar homogêneo.
  • Picotar com a faca as fatias de copa lombo em pedaços pequenos (cerca de 1 cm)
  • Colocar a mistura batida na tigela e misturar inicialmente com uma colher grande. Depois continuar com as mãos. Acrescente a copa lombo fatiada e o parmesão ralado e misture bem. Se necessitar, acrescentar um pouco mais de farinha de trigo integral.
  • A massa pode ficar mole, pois a farinha integral tende a absorver mais a umidade depois. Alguns pedaços de copa lombo ficarão expostos, não tem problema.
  • Separar a massa em dois pedaços e colocar nas formas untadas com manteiga (ou em uma assadeira grande, separados). Deixar a massa descansando por 30 minutos.
  • Levar ao forno (180º) por 30 minutos ou até a superfície ficar dourada.

Alimento muito legal para o café da manhã ou acompanhar uma boa cerveja.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Campola no rumo certo

Tenho observado junto à população de Campo Limpo Paulista que eles acreditam na seriedade que o Prefeito Dr. Japim Andrade tem com gestão da cidade, já evidenciadas nestas quatro primeiras semanas de governo. Com um orçamento geral estimado em R$ 182 milhões para 2017 e uma dívida herdada das gestões anteriores em R$ 98 milhões, levantada até o momento, o novo governo precisará de “coragem pra fazer diferente” (como diz o novo slogan).

No total da dívida está incluso atrasos com fornecedores, funcionários, INSS e prestadores de serviço. Apesar dessa dificuldade financeira, coragem não falta. Tenho acompanhado diversas reuniões e vejo a motivação e empenho de todos em trabalhar muito pela cidade. A gestão do hospital foi a primeira mudança para proporcionar a ampliação nos serviços, que será seguida de outras atividades que logo vão mostrar a diferença.

As equipes fazem um “pente fino” nas dívidas, negociam redução de valores com fornecedores, cancelam contratos ineficazes e/ou sem prioridade, controlam os gastos, etc. Tudo para por a casa em ordem e sanar as pendências, até o final do ano, pelo menos. E o “Doutor Japim” ainda arruma tempo pra ir a feira-livre, visitar escolas, centros esportivos e atender a população.

Ajeitando melhor as finanças da cidade, tem mais desafios que devem ser superados este ano: melhorar e regularizar a oferta de remédios e exames médicos, buscar parcerias e organizar os serviços de tapa-buracos e sinalização das ruas, ampliar as rondas da guarda municipal nos bairros, dar manutenção nos prédios públicos, melhorar a iluminação nas vias e praças, centros esportivos, etc.

Incansáveis, trabalhando 10 horas por dia no mínimo, nosso Dr. Japim e demais secretarias se desdobram para fazer jus ao que dizia a frase de campanha: “pra cuidar da nossa gente”. Parabéns a tod@s, tenho orgulho de contribuir com essa gestão.


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

O melhor de 2016: trabalho, família e amigos

Parece ser hábito fechar o ano fazendo um balanço geral. Então que seja o essencial, e de coisas boas, não só deste ano. Vamos lá:

       No trabalho implantei, no Município de Jundiaí, os kits uniformes escolares (não existia a entrega gratuita pela prefeitura), trouxe o Instituto Federal de Ciência e Tecnologia (universidade pública que já está em atividade), os livros didáticos para os alunos das escolas municipais (de editoras e autores renomados), a ampliação da Educação de Jovens e Adultos (dobramos o número de alunos), o Simpósio da Educação (com troca de experiências e de projetos entre os educadores) e muitas outras coisas boas. Os amig@s que conheci, convivi, discordei e aprendi a conhecer, respeitar e amar. Quanta gente boa que vai ficar pra sempre na minha história. Amizades que fiz na prefeitura, enfim, obrigado gente!
      Na família a graça de ver meus filhos e netos se desenvolverem. De ter uma esposa companheira, amante, cúmplice e tolerante comigo nestes 34 anos de casados. Aprender com os desafios de cada um dos três filhos, das duas noras, e de meus dois netos (por enquanto, tô fazendo uma pressão saudável pra venham mais netos). Se tem uma coisa que vale a pena é reunir a família, em viagens, festas e momentos especiais. Conviver mais, mesmo que tenha a sensação de ser pouco (os pais sempre acham pouco), e isso fizemos até que bem neste ano que se encerra. Na essência, a família deve ser o centro e a motivação de nossas vidas.
     Na sociedade pude conhecer melhor as pessoas. Visitei lugares, entidades e participei de eventos que nunca tinha comparecido antes. Fiz novas amizades que espero cultivá-las, reaprendi sobre amigos mais antigos, e me aborreci parcialmente com alguns, poucos felizmente. Encontrei alguns alunos meus da faculdade de administração, já com filhos grandes, que me saudaram calorosamente. Gratificante. Agradeço a Deus todas essas oportunidades e que me ajude a cuidar da saúde. Obeso sempre tem umas coisas a mais pra ficar atento.

Deve ter faltado muita coisa que rendeu momentos de felicidade. Desafios? Problemas? Enfrentei e resolvi muitos e ficaram pra frente outros tantos (que graça teria se acabassem todos, não é?). Alguns poderão dizer: “Durval, você vai terminar sem falar de impeachment, do Temer, da economia”? Sim. Essa retrospectiva foi só de coisas boas. As ruins os jornais vão dizer. E que venha 2017, estou pronto!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Educação Municipal de Jundiaí em alta na avaliação do IDEB

Enquanto a maioria dos municípios brasileiros encontraram dificuldades em avançar nas metas estabelecidas pelo IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), Jundiaí continua avançando na Educação. A nota subiu para 6.8 na média das escolas municipais (4ªsérie/5ºano), conforme a Prova Brasil, realizada em 2015. Em 2011 era 6.3 nesta mesma avaliação, o que significa que em quatro anos foi uma boa evolução.

"Essa evolução é fruto do trabalho dos educadores e da equipe gestora que temos nas escolas e na Secretaria de Educação. Tenho orgulho de ter participado desse processo" (Durval Orlato, ex-secretário de educação e atual vice-prefeito).

O prefeito Pedro Bigardi sempre deu muita importância para educação pública municipal, investindo quase 30% do orçamento em educação (enquanto a maioria das cidades destinam apenas os 25% que determina a legislação).

Ideb é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado em 2007, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), formulado para medir a qualidade do aprendizado nacional e estabelecer metas para a melhoria do ensino.

O Ideb funciona como um indicador nacional que possibilita o monitoramento da qualidade da Educação pela população por meio de dados concretos, com o qual a sociedade pode se mobilizar em busca de melhorias. Para tanto, o Ideb é calculado a partir de dois componentes: a taxa de rendimento escolar (aprovação) e as médias de desempenho nos exames aplicados pelo Inep. Os índices de aprovação são obtidos a partir do Censo Escolar, realizado anualmente.

As médias de desempenho utilizadas são as da Prova Brasil, para escolas e municípios, e do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), para os estados e o País, realizados a cada dois anos. As metas estabelecidas pelo Ideb são diferenciadas para cada escola e rede de ensino, com o objetivo único de alcançar 6 pontos até 2022, média correspondente ao sistema educacional dos países desenvolvidos. 

terça-feira, 16 de agosto de 2016

PROS faz propostas novas para a cidade

Qualquer candidato a vereador do PROS em Jundiaí tem diversas propostas para defender. O dirigente estadual do partido, e atual vice-prefeito, Durval Orlato, aponta algumas bandeiras que o partido apresenta para Jundiaí seguir em frente:

PROS HABITAÇÃO
CONSTRUIR MORADIAS PARA QUEM ESTÁ NO ALUGUEL
O cadastro municipal deve ser revisto para priorizar que reside em Jundiaí, comprovadamente, há mais de 5 anos. Metade das unidades habitacionais disponibilizadas na cidade, devem ser destinadas a quem paga aluguel e a outra metade para os núcleos de submoradias. Em todos os casos, manter o critério social de classificação.


PROS INFÂNCIA
IMPLANTAR O PROGRAMA MUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL
Os primeiros 1.000 dias (cerca de três anos) do bebê são considerados os mais importantes para a formação do indivíduo. O plano municipal consiste em estabelecer metas e prioridades relacionadas às crianças nesta faixa etária em diversos setores, como educação, saúde, assistência, convivência familiar e outros, em acordo com as diretrizes nacionais. Trata-se da formulação de ações municipais que fomentem e coloquem o desenvolvimento das crianças como prioridade.


PROS EMPREGO
INSTITUIR O PROGRAMA “TRABALHO NA PRAÇA”
Os parques e praças públicas devem ter espaços mínimos definidos para possibilitar a instalação de barracas e quiosques com fins comerciais para pequenos empreendedores. Isso poderá gerar mais empregos e presença de pessoas nas principais praças e parques da cidade.


PROS CULTURA
CRIAR O FESTIVAL DE MÚSICA COM BANDAS DA CIDADE
Organizar o festival anual com bandas jundiaienses de vários gêneros musicais, autorais e cover, onde as três primeiras colocadas de cada categoria, passam a tocar nos eventos oficiais e tradicionais da cidade. Incentivo pra galera das bandas locais.


PROS MULHERES
IMPLANTAR CASA DE PARTO NATURAL
Os procedimentos tradicionais que deveriam ser "normais" acabam tendo excessos de intervenções e medicalização. O parto passa de sua normalidade a um evento repleto de procedimentos e interferências realizadas de forma rotineira e, muitas vezes, desnecessárias. Na casa de parto batural há acompanhamento médico com pouca interferência e humanizado. Defendemos a implantação da Casa do Parto Natural em nossa cidade como outra opção para as mulheres.


PROS MEIO AMBIENTE
IMPLANTAR O TRATAMENTO DE RESÍDUOS
Atualmente todo lixo que sai de nossa casa vai para os aterros e lixões cada vez mais distantes e a um custo maior. A proposta é fazer a separação e o beneficiamento de todos os resíduos da cidade a fim de proporcionar a geração de renda, sustentabilidade e inclusão social.