quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Jundiaí cresce, mas a que preço? (p.1)

Estão aprovadas na Prefeitura – dentre imóveis habitacionais, comerciais e industriais – 15 mil novas unidades. A maioria habitacional. Se nos próximos três anos estas construções estiverem prontas, teremos um crescimento e tanto (hoje são cerca de 90 mil imóveis na cidade). Mais gente, mais carros, mais consumo, mais utilização de leitos hospitalares, escolas e creches, trânsito, enfim... a cidade tem de crescer junto, ou na frente, se possível.

A maioria dos novos proprietários é das classes A, B e C porque as famílias das classes D e E terão poucas oportunidades. Muitos jundiaienses tradicionais verão seus filhos sem condições de morar na cidade de seus pais. É quase um 'apartheid imobiliário': os que têm condições financeiras vêm morar em Jundiaí. Os que não têm, vão para as cidades vizinhas. Mas é inegável que vamos receber o fluxo de toda a região para entretenimento, trabalho, comércio e outros. Estamos preparados?

A qualidade de vida, a considerar pelo desdém estratégico do atual prefeito Miguel Haddad (que já foi prefeito noutras duas oportunidades e é um grande “latifundiário urbano”), pode piorar daqui pra frente. Numa cidade rica como a nossa, uma das maiores economias do Estado, isso não poderia estar acontecendo.

5 comentários:

  1. Luis Roberto Zanarella25 de novembro de 2010 08:17

    Jundiaí, como uma cidade periférica e dormitório de São Paulo, começa a sentir a política de intrusão do capital da população de grande poder aquisitivo que busca sair de São Paulo sem estar longe dela. Afinal, não é só Jundiaí que cresce e se considera rica.
    Planejar o espaço urbano é uma ação coletiva e deve priorizar a qualidade de vida como um todo. Não há que se separar por classes, afinal votos são votos e o prefeito deve olhar a questão habitacional como um todo. A classe média tem duas saídas - cobrar moradias populares e IPTU progressivo, evitando que os mais ricos passem a ver só na especulação imobiliária o status da sua riqueza. O espaço urbano é de todos e o capital não pode ser o fator de exclusão - quem pode mais mora bem...

    ResponderExcluir
  2. É o quem vem ocorrendo aqui no Jardim Santa Gertrudes, áreas rurais estão sendo "adquiridas" e loteadas. Jardim Marambaia 1, 2 e já estão falando em Marambaia 3. A criminalidade no bairro aumentou em 700%. Assaltos são constante, traficante tem em quase todas as esquina onde existe movimento e rota de fuga. Policiamento quase não existe, e quando aparecem ficam na padaria central tomando um cafezinho e recebendo pedágio.

    ResponderExcluir
  3. Repercuti esse texto e outros que falam sobre o mesmo problema causado pelo PSDB e Miguel Haddad em meu blog.

    Visitem: http://tudo-em-cima.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. A especulação imobiliaria causa os seguintes problemas:
    1- Falta de Creches;
    2- Transito = mobilidade urbana;
    3- Transporte coletivo ineficiente;
    4- Hospitais que Jundiaí não tem;
    5- Lazer que Jundiaí não tem;

    Não tem planejamento.Só propaganda do Miguel...

    Enfim uma Cidade rica que não proporciona benefícios aos cidadãos.


    Com essa turma não dá mais.

    ResponderExcluir
  5. Caros, um comentário por anônimo foi excluído na moderação, pois trazia adjetivos fortes e que poderiam se caracterizar como ofensa. Pedimos que se identifiquem e usem termos comparativos, discordantes, mas de forma respeitosa.

    ResponderExcluir