quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Candidato produzido ou natural. Qual você prefere?



O POLÍTICO PRODUZIDO
A campanha eleitoral para prefeito de Jundiaí está apenas no começo. Mas, já é possível perceber alguns padrões dos candidatos, relacionados à personalidade de cada um. Luiz Fernando Machado é jovem e nada fez da vida a não ser política. Já na faculdade se envolveu com certa versão de "movimento estudantil" e logo foi apadrinhado por Miguel Haddad, algo que lhe garantiu voos muito rápidos na política local, a ponto de ser candidato a prefeito deixando tucanos históricos a ver navios. 


Machado é inteligente e articulado, filho de família abastada tem hábitos e jeito de playboy. Foi treinado para ser político. Suas falas são cuidadosamente pensadas e articuladas. Parece que seus movimentos de face e de corpo foram moldados. Ele não tem uma oratória como a dos políticos da antiga, que falavam espontaneamente. Machado parece um candidato produzido pelas ferramentas mais modernas do marketing político.
 
Todas as vezes que o vi falar, fiquei perguntando o que havia de espontâneo e verdadeiro. A campanha das mídias sociais de Machado segue o mesmo padrão. Trata-se de uma campanha profissional, com fotos milimetricamente produzidas para vender para o eleitor uma imagem de seriedade e competência, apesar dele nunca ter administrado nada. Nunca vi em Jundiaí uma campanha tão moldada pelo tal marketing.

Marketing político, aliás, que transformou o "sapo barbudo" no "Lulinha paz e amor" e que vendou para a cidade de São Paulo um jovem candidato a prefeito, chamado Celso Pitta. O padrão é o mesmo. Um padrinho político forte, a venda de um sonho para as pessoas, um cuidado excessivo com a imagem. As pessoas, assim, ficam com um candidato que é um produto, um sabonete. E adoram isso. 
Na sociedade do espetáculo, já nos mostrava Guy Debord, a imagem vale tudo.


O POLÍTICO NATURAL
Bigardi, o candidato desafiante, mantém o padrão de todas as campanhas que realizou na cidade. Jundiaiense do Vianelo, Bigardi não usa roupas de grife e não anda em carros caros. É uma pessoa de hábitos comedidos. É um técnico de planejamento urbano e fez inúmeras campanhas na cidade gastando a sola do sapato. 

Bigardi é uma pessoa tímida e simples, lembra muito uma figura típica de nosso estado, o caipira, aquele que é do lugar e o conhece muito bem. Suas campanhas políticas são marcadas por um quase amadorismo e seus assessores, em geral, fazem política mais com o fígado do que com a cabeça. Você prefere um playboy ou um caipira?


Autor: Rafael Alcadipani, jundiaiense. E-mail: alcadipani@gmail.com (publicado no Jornal de Jundiaí de 31/07/2012 com o título original "Playboy X Caipira"  http://www.portaljj.com.br/interna.asp?Int_IDSecao=46&Int_ID=182976 e neste blog com autorização do autor). É professor na FGV, questionador, cidadão ativo... pessoa que nos faz pensar!