quarta-feira, 20 de junho de 2012

Sacolinhas devem voltar aos supermercados gratuitamente


O Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo decidiu por unanimidade nesta terça-feira, 19 de junho, que o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que limitava o direito do consumidor em receber gratuitamente as sacolas plásticas, não é válido. Com a decisão, os estabelecimentos devem voltar a distribuir as sacolinhas em cumprimento ao Código de Defesa do Consumidor.

A população é a favor do meio ambiente. E deseja colaborar quando a atitude é séria e eficiente, o que não ocorreu com esta imposição, iniciada em Jundiaí, por intermédio de acordo entre o prefeito Miguel Haddad (PSDB) e a Associação Paulista de Supermercados (APAS). Depois o governador Alckmin (PSDB) também apoiou a medida para o Estado de São Paulo.

O que esperamos é que aconteça a reciclagem de verdade, não só de fachada como na maioria dos programas da Prefeitura. Ou que os supermercados continuem distribuindo as sacolinhas de “plástico de milho” gratuitamente.

A petição contra a homologação do TAC foi uma ação movida pela Plastivida Instituto Sócio Ambiental dos Plásticos, pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idecon) e pelo terceiro interessado SOS Consumidor.

Quem ganha ou perde nessa polêmica das sacolas plásticas:

9 comentários:

  1. O TAC deveria ser para a APAS. Substituir suas sacolas de plástico pelas de milho e continuar distribuindo gratuitamente!

    ResponderExcluir
  2. Meio ambiente uma ova, eu quero sacolinha de graça!!!

    ResponderExcluir
  3. ATÉ QUE ENFIM ACABOU ESSA PALHAÇADA DA SACOLINHA, ISSO SÓ ESTAVA FAVORECENDO OS DONOS DE SUPERMERCADOS, ENQUANTO O CONSUMIDOR POBRE ESTAVA CARREGANDO AS COMPRAS NAS MÃOS, AZAR DO POLÍTICO QUE APOIAR ESSE ABSURDO SOMENTE VAI PERDER VOTO AGORA NA ELEIÇÃO! ESPERAMOS QUE IMEDIATAMENTE OS SUPERMERCADOS DE JUNDIAI VOLTEM A FORNECER, SENÃO PROCON NELES!

    ResponderExcluir
  4. Olha só, eu acho que as sacolinhas devem voltar. Por que os mercados não voltam a distribuir aquelas sacolinhas feitas de amido de milho que eles cobravam 19 centavos. Hoje nós vamos no mercado e temos que levar as compras nas mãos, alguns mercados tem caixas ou outras coisas e também vendem sacolas grossas retornáveis. A intenção é boa, vai ajudar e muito o meio ambiente, mas deixar sem nenhum tipo de apoio ao consumidor não acho correto.

    ResponderExcluir
  5. As grandes redes estão tão preocupadas com meio ambiente elas que encontrem alternativas sustentáveis sem ônus ao consumidor, que já paga um preço absurdo nos produtos, gostei da decisão e com certeza vou reciclar as sacolinhas.

    ResponderExcluir
  6. Muito bem feito principalmente para a cidade de Jundiaí, para os supermercadistas, para a apas, para o procon, e para os idiotas que acreditaram na propaganda enganosa, de que sacolas são maléficas para o meio ambiente.
    Vamos ver se o povo jundiaiense deixa de ser tapado e comecem a cobrar do Russi, da Coopercica, do Extra que por sinal foi um dos pilotos da campanha enganosa, e principalmente do Boa do jardim Pacaembú, que é o mais careiro da cidade.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rose, este projeto não passou pela câmara de vereadores, foi um acordo entre o prefeito e os supermercados de Jundiaí. Agora esperamos que as sacolinhas biodegradáveis (derivada de milho) seja distribuida gratuitamente, não mais lesando o direito do consumidor. Obrigado pela participação.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir